segunda-feira, 20 de agosto de 2012

poetizando...


 
Meu Grito

Eu posso, sei que posso,
por isso eu vou,
amordaçada, sacrificada,
até calada, sem medo.
Vou sem segredo,
na certeza de ser melhor,
não reclamo,
não tenho nada pra desculpar,
corro na certa, de peito aberto,
retorno sempre que precisar.
Sou como as nuvens,
formo imagens
que se apagam nas ilusões,
grito socorro,
dou mãos ao mundo,
me agasalho
nos teus verões.

(Ivone Boechat)

3 comentários:

  1. Ser mãe

    No peito, lábios famintos,
    carência se abriga
    na seiva do amor,
    nos braços, afago macio,
    o carinho se embriaga
    no favor;
    na vida, farol no caminho,
    indica a certeza
    de ir onde for,
    no tempo, sinal de retorno
    na porta aberta,
    do ninho de amor.

    Ivone Boechat

    ResponderExcluir
  2. Olá, Ivone... boa tarde!
    Que lindo poema.
    Obrigada por enviar... podemos postar?

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar... este blog é nosso. Participe!