quarta-feira, 31 de julho de 2013

gÊnErO TeXtUaL: cARtA aBeRTa


A carta aberta integra os gêneros em que prevalece o caráter argumentativo



• Diferente da carta pessoal, que costuma abordar um assunto de interesse individual e pessoal dos interlocutores, a carta aberta manifesta a opinião de um grupo de pessoas, entidades, sindicatos, etc. diante de uma questão de interesse coletivo.

• Ela pode servir apenas para alertar, mas geralmente visa à mobilização de forma que se encontre uma solução para o problema denunciado. Dessa maneira, tem caráter argumentativo; portanto, a persuasão é um elemento usado para elaborar a carta aberta.

O meio pelo qual a carta aberta é divulgada depende do destinatário. Por exemplo, se o remetente pretende alertar a população mundial para o buraco na camada de ozônio, pode recorrer à internet; se o objetivo é denunciar um problema na escola, é possível utilizar um mural. Como o próprio nome diz, é aberta, ou seja, pode ser lida por qualquer pessoa. Ela é publicada em jornais e revistas. O texto pode ainda ser lido e apresentado no rádio e na televisão.

O destinatário pode ser uma autoridade (por exemplo: “Ao Excelentíssimo Senhor Presidente da República”) ou um grupo qualquer (“À população de Aroeiras”, “Às crianças
do Brasil”). Quando se dirige a uma autoridade, a carta aberta pode reivindicar que essa autoridade tome as providências necessárias para solucionar o problema. Por exemplo: a associação de moradores de determinado bairro pode exigir, por meio de uma carta aberta, que a prefeitura melhore a infraestrutura do local, asfaltando as ruas, construindo escolas e hospitais, etc.
• Em geral, é empregada a norma culta da língua, pois o objetivo da produção da carta aberta é estabelecer a comunicação não apenas com a população, mas também com órgãos oficiais, situação essa que exige linguagem formal. Os verbos são empregados no presente do indicativo na 1ª ou 3ª pessoas.

• Em relação ao conteúdo, identificamos na carta aberta:
 . a exposição clara dos objetivos da publicação;
 . a denúncia de um problema;
 . a proposta ou a reivindicação de soluções;
 . a apresentação de argumentos;
 . o uso de linguagem persuasiva.


Em termos de estrutura, como se trata de um texto em que prevalece a argumentação, costuma obedecer aos seguintes requisitos:

# tulo – deve conter o destinatário, ou seja, o órgão, ou a pessoa para a qual a carta é endereçada, emitida;

# Introdução – esse elemento é revelado pela parte em que o problema a ser resolvido é apontado;

# Desenvolvimento – como o próprio nome já indica, tal parte diz respeito à análise do problema em questão, justificado, obviamente, com argumentos convincentes, os quais fundamentam o ponto de vista do (s) emissor (es);

# Conclusão - representa a parte em que é apontada uma solução para o problema discutido.


terça-feira, 30 de julho de 2013

Gênero textual: Carta do leitor


Com o advento da internet e dos recursos tecnológicos de uma maneira geral, a forma de comunicação entre as pessoas mudou consideravelmente. Antigamente, era muito usual utilizar-se de cartas, telegramas, cartões postais para se comunicar com pessoas que ora encontravam-se distantes.

Atualmente existe E-MAIL, CHATS, TWITTER, FACEBOOK e tantos outros que possibilitam a comunicação em tempo real. Entretanto, a carta argumentativa ainda continua sendo um veículo de comunicação muito importante e muito requisitado nos concursos e provas de vestibulares.
Para entendermos sobre a sua parte estrutural, é importante lembrarmos que, como o próprio diz, nos lembra a questão de exposição de ideias, ou seja, o emissor deve persuadir o interlocutor através do seu ponto de vista sobre determinado assunto. E logo, a linguagem deverá ser clara, coesa e objetiva.
A única diferença é que na carta há uma interlocução explícita, ou seja, ela é destinada a um ou mais destinatários de forma específica.
O grau de formalidade dependerá do nível de intimidade estabelecido entre os interlocutores. 

Você já observou que nos jornais e revistas há um espaço reservado para que a opinião dos leitores seja publicada?
Estamos falando das cartas dos leitores, as quais mostram opiniões e sugestões; debatem os argumentos levantados nos artigos e fazem críticas a respeito; trazem perguntas, reflexões, elogios, incentivos, etc.

Para o leitor é o meio de expor seu ponto de vista em relação ao assunto lido, para o veículo de informação é uma arma publicitária para saber o que está agradando a opinião pública.
Não há regras estabelecidas para se fazer uma carta no estilo “carta do leitor”, a não ser as que já são recomendadas ao escrevermos a alguém: especifique o assunto e seja breve; trace previamente o objetivo da carta (opinar, sugerir, debater); escreva em uma linguagem clara, precisa e nunca faça uso de palavras de baixo calão, pois sua carta não será publicada!
O objetivo do leitor ao escrever uma carta para um jornal da cidade ou uma revista de circulação nacional é tornar pública sua ideia e se sentir parte da informação. A carta do leitor é tão importante que pode ser fonte para uma nova notícia, uma vez que ao expor suas considerações a respeito de um assunto, o destinatário pode acrescentar outros fatos igualmente interessantes que estejam acontecendo e possam ser abordados!
Deve-se ter muito cuidado ao redigir uma carta, pois será lida por muitas pessoas. Por isso, revise o texto e observe com atenção se há clareza nas frases, se os períodos não estão muito longos e se não há repetições de ideias ou palavras, se há erros de pontuação e grafia.

Importante: Não se preocupe apenas em dizer o que pensa, o que acha, mas dê seu ponto de vista sempre explicando com muito cautela, e se expuser fatos, tenha certeza que são verdadeiros.

domingo, 28 de julho de 2013

uM LiNdO FiM De tArDe!


Image Kim Anderson

"Sonhar é acordar-se para dentro."
Mario Quintana


Soprar ou assoprar?


  
As duas palavras existem na língua portuguesa. São palavras sinônimas e ambas estão corretas. Podemos usar os verbos soprar ou assoprar sempre que quisermos referir o ato de dirigir sopro para alguma coisa ou alguém, bem como expelir ar do corpo com a respiração. Podem significar ainda o ato de: sussurrar, insinuar de forma maliciosa; agitar ou avivar através de sopro; favorecer, dar ajuda; sugerir, incitar e inspirar uma ação. As duas palavras são muito usadas, mas há uma maior preferência pela utilização do verbo soprar, que é considerado o mais correto e socialmente aceite pelos falantes.

A palavra soprar tem sua origem na palavra em latim sufflare. A palavra assoprar aparece nos dicionários como sendo o mesmo que soprar. É formanda através da junção do prefixo a- ao verbo soprar. O prefixo a-, neste caso, tem valor expletivo, ou seja, não traz nenhuma nova ideia ou sentido à palavra mãe.

Exemplos:
O aniversariante soprou as velas.
O aniversariante assoprou as velas.

Soprava lentamente a fumaça do cigarro pela boca.
Assoprava lentamente a fumaça do cigarro pela boca.

Pare de soprar baboseiras no meu ouvido, não me acredito em nada disso!
Pare de assoprar baboseiras no meu ouvido, não me acredito em nada disso!


Existem, na língua portuguesa, palavras que apresentam mais do que uma grafia correta. A estas palavras chamamos formas gráficas variantes. Embora haja sempre uma forma preferida e mais utilizada pelos falantes, todas as formas são corretas.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Drummond: "Desejo um neto..."


HOMENAGEM AO DIA DOS AVÓS _ 26 de julho

Os idosos merecem respeito e consideração de todos





Os avós são pessoas ligadas a nós através de laços consanguíneos, pois são os pais dos nossos pais.
  
Os avós merecem consideração e respeito, pois já viveram muito, possuem grande experiência de vida e podem transmitir muitos ensinamentos a todos de sua família. Por isso, ganharam uma data especial, para que fossem homenageados, o dia 26 de julho, que é mais conhecido como o dia da vovó.

[...]

Hoje em dia existem leis que favorecem os idosos, isso é questão de respeito com os mesmos e devemos acatá-las. Assim, os idosos têm o direito de entrar na frente das filas, não pagam passagens de ônibus, possuem vagas especiais em estacionamentos, dentre outros. É muito justo que isso aconteça, pois seus corpos já não são mais capazes de suportar o cansaço que pessoas mais novas conseguem.

[...]

Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia

Equipe Brasil Escola

26 de julho: DiA nAcIoNaL do InTéRpReTe de LiBrAs


quinta-feira, 25 de julho de 2013

quarta-feira, 24 de julho de 2013

poetizando...


"Só as tuas mãos trazem os frutos.
Só elas despem a mágoa
destes olhos, e dos choupos,
carregados de sombra e rasos de água.

Só elas são
estrelas penduradas nos meus dedos.
- Ó mãos da minha alma,
flores abertas aos meus segredos."

 Eugénio de Andrade

UmA sUpEr QuArTa - fEiRa!


terça-feira, 23 de julho de 2013

UmA LiNdA nOiTe!


Um dia frio
Um bom lugar prá ler um livro
E o pensamento lá em você
Eu sem você não vivo
Um dia triste
Toda fragilidade incide
E o pensamento lá em você
E tudo me divide

Longe da felicidade e todas as suas luzes
Te desejo como ao ar
Mais que tudo
És manhã na natureza das flores

Mesmo por toda riqueza dos sheiks árabes
Não te esquecerei um dia
Nem um dia
Espero com a força do pensamento
Recriar a luz que me trará você

E tudo nascerá mais belo
O verde faz do azul com o amarelo
O elo com todas as cores
Pra enfeitar amores gris


Um dia frio
Um bom lugar prá ler um livro
E o pensamento lá em você
Eu sem você não vivo
Um dia triste
Toda fragilidade incide
E o pensamento lá em você
E tudo me divide

Mesmo por toda riqueza dos sheiks árabes
Não te esquecerei um dia
Nem um dia
Espero com a força do pensamento
Recriar a luz que me trará você

E tudo nascerá mais belo
O verde faz do azul com o amarelo
O elo com todas as cores
Pra enfeitar amores gris


Djavan / Nem um dia

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Não erre mais... ATENÇÃO é indispensável!

Clique na imagem para ampliar



Colaboração: https://www.facebook.com/PequenasDicasDePortugues

Emprego de: A PAR / AO PAR



Colaboração: https://www.facebook.com/PequenasDicasDePortugues?fref=ts

TABELA que CONTEMPLA todas as ALTERAÇÕES da NOVA ORTOGRAFIA.

Clique na imagem para ampliar:


Colaboração: https://www.facebook.com/PequenasDicasDePortugues?fref=ts
Link:
http://download.uol.com.br/educacao/UOL_Educacao_Conheca_as_novas_regras_da_Reforma_Ortografica.pdf

pensamento do dia!


“Qualquer um pode amar uma rosa, mas é preciso um grande coração para incluir os espinhos.”


 Cecilia Meireles

Verbo perigoso: ACABAR


Dica: Acento circunflexo (novo Acordo)

Colaboração: https://www.facebook.com/DicasDiariasdePortugues

Reflexão!


AOS QUE PASSAM EM NOSSAS VIDAS

Cada um que passa em nossa vida passa sozinho...
Porque cada pessoa é única para nós,
e nenhuma substitui a outra.

Cada um que passa em nossa vida passa sozinho,
mas não vai só...
Levam um pouco de nós mesmos
e nos deixam um pouco de si mesmos.

Há os que levam muito,
mas não há os que não levam nada.
Há os que deixam muito,
mas não há os que não deixam nada.

Esta é a mais bela realidade da vida...
A prova tremenda de que cada um é importante
e que ninguém se aproxima do outro por acaso...


Antoine De Saint-Exupery

sexta-feira, 12 de julho de 2013

O que é Português Instrumental?


Português Instrumental é o estudo da língua portuguesa, que objetiva a capacitação para a compreensão, para a interpretação e para a composição de textos.

Muitos estudantes e profissionais têm dúvidas sobre o texto técnico. Equívocos de concordância, de regência e a elaboração de textos sem clareza e objetividade são as maiores deficiências apresentadas por quem redige tecnicamente um texto.

Atualmente, as empresas investem cada vez mais nos treinamentos de seus funcionários. Investem em cursos de informática, atendimento ao cliente e técnicas de vendas, entretanto, se não houver domínio do idioma pátrio, o resultado final será pouco satisfatório.

Comunicar-se bem, tanto na expressão oral quanto na escrita, exige objetividade, clareza e coesão. Evitar modismos e gírias, além de cuidar da ortografia, correção e coerência das ideias apresentadas ajudam bastante na boa comunicação. Ainda não se deve esquecer de fazer boas leituras (lívros literários, livros técnicos, revistas, jornais e artigos).

Expressões como "vou está transferindo" ou "Aonde você mora?", utilizadas na oralidade e na escrita, podem comprometer a credibilidade de seu texto, de seu argumento, ou até mesmo de seus negócios. Imagine, então, "erros" de português em um currículo. O candidato(a) pode ser eliminado(a) antecipadamente do processo seletivo.


Vivemos em uma era altamente tecnológica e que exige rapidez nas comunicações. Assim, as possibilidades de "erros", sejam elas por meio do correio eletrônico (e-mail), memorandos, cartas comerciais e outros aumentam. Se a agilidade é importante em plena era da "sociedade conectada", comunicar-se bem e de forma eficiente em língua portuguesa, tornou-se algo essencial.

BoM DiA!



"O dia mais belo: hoje
A coisa mais fácil: errar
O maior obstáculo: o medo
O maior erro: o abandono
A raiz de todos os males: o egoísmo
A distração mais bela: o trabalho
A pior derrota: o desânimo
Os melhores professores: as crianças
A primeira necessidade: comunicar-se
O que traz felicidade: ser útil aos demais
O pior defeito: o mau humor
A pessoa mais perigosa: a mentirosa
O pior sentimento: o rancor
O presente mais belo: o perdão
o mais imprescindível: o lar
A rota mais rápida: o caminho certo
A sensação mais agradável: a paz interior
A maior proteção efetiva: o sorriso
O maior remédio: o otimismo
A maior satisfação: o dever cumprido
A força mais potente do mundo: a fé
As pessoas mais necessárias: os pais
A mais bela de todas as coisas: O AMOR!!!"

Madre Tereza de Calcutá

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Guia prático para apresentar um bom seminário


Aluna de Psicologia e professor de História da Comunicação dão dicas para apresentar um bom seminário. Aprenda a organizar a sua pesquisa e prender a atenção dos seus colegas de classe

Uma das grandes dificuldades dos alunos é a de apresentar um bom seminário. O problema pode começar durante a pesquisa, passar pela organização da apresentação e chegar até a timidez na hora de falar em público. Para ajudar você, a Universia Brasil conversou com uma aluna de psicologia da Universidade de Guarulhos e o professor de História da Comunicação da Faculdade Cásper Líbero para descobrir como você pode vencer suas dificuldades e apresentar um bom seminário.

Segundo o professor Carlos Costa, professores esperam que os alunos “façam a pesquisa, se aprofundem no tema, organizem as ideias e aprendam com isso mais do que aprenderiam numa simples aula onde o professor fala e o aluno presta atenção”. Para atingir esse objetivo, confira o guia prático para apresentar um bom seminário:

1. Organize a sua pesquisa
Para a aluna de psicologia Mayara Pompeo, a dica é organizar a sua pesquisa em tópicos. "Esses tópicos são coisas que eu gostaria de saber, as curiosidades e utilidades do assunto", conta a estudante. Depois de compreender qual é o tema proposto para o seminário, encontre as palavras-chaves da pesquisa e monte tópicos que vão ajudar você na hora de aprofundar o tema.

2. Fontes online
Pesquisar o tema na internet é mais rápido do que em livros, mas você deve tomar muito cuidado na hora de utilizar sites e blogs. O professor Carlos conta que já recebeu trabalhos com fotografias de personagens que nasceram e morreram antes da própria invenção da fotografia. Ainda para ele, "a internet é uma fonte interessante desde que o aluno tenha senso crítico. Ela é um recurso inicial para fazer uma varredura do que já existe online sobre o tema; é o ponto de partida para que o aluno vá até a biblioteca, utilize livros e encontre sites específicos para desenvolver o tema."

Por isso, comece a sua pesquisa na internet, mas não deixe de procurar livros indicados pelo professor e até pelos blogs que você encontrou. Antes de incluir as fontes online no seu trabalho, faça uma análise crítica do conteúdo para comprovar a sua veracidade.

3. Memorize
Essa é a hora de tornar o seu seminário algo divertido. A estudante entrevistada conta que, para memorizar o conteúdo do trabalho, ela lê os textos e pratica sua dicção enquanto faz alguma atividade rotineira. "Eu resumo a minha pesquisa e leio em voz alta enquanto lavo a louça, tomo banho ou mexo com água", ela diz e acrescenta que por mais que pareça um hábito estranho, associar o conteúdo com algo que você faz no dia-a-dia ajuda você a memorizar o assunto para o seminário.

4. Utilize recursos audiovisuais
O professor da Cásper Líbero recomenda a utilização de recursos audiovisuais para reter a atenção dos estudantes. Segundo ele, "nós tivemos uma época em que as pessoas eram capazes de ouvir durante horas a fala de um pregador. Hoje em dia, a atenção das pessoas se dilui depois de cinco minutos de uma fala monopólica". Monte apresentações no PowerPoint e leve vídeos relevantes para o assunto, dessa forma o seu seminário será muito mais interativo e, além disso, você poderá recorrer a esses recursos caso se esqueça de alguma informação.

5. Vença a timidez
A timidez é um dos maiores obstáculos na hora de apresentar um seminário. "É uma questão de treinamento. Para você falar bem, você precisa raciocinar bem, ter ideias claras e segurança sobre o tema proposto", diz Carlos Costa, que recomenda a organização de ideias para formar uma narrativa lógica. Lembre-se de que no momento do seminário você já fez a sua pesquisa, já estudou sobre o tema e domina o assunto proposto, sendo capaz de fazer uma ótima apresentação.


Para vencer a timidez, Mayara recomenda que você faça atividades que envolvam a interação com outras pessoas. Ela diz: "Uma ótima ideia é começar a fazer aulas de teatro ou música, na verdade qualquer tipo de atividade que envolva muitas pessoas. Assim, você não vai pensar que está incomodando os outros alunos e nem ter vergonha de apresentar na frente deles."

Fonte: Universia Brasil


Publicada em 27 de Junho de 2013

3 dicas para se tornar um escritor



Você sempre quis escrever histórias fantásticas ou simplesmente aprimorar a sua escrita?

Não são apenas aqueles que querer se tornar escritores que devem aprimorar as suas técnicas de escrita. 

Muitas pessoas sonham em escrever o próprio livro, mas não sabem como começar. Elas têm problemas para encontrar a inspiração necessária e aprimorar as suas técnicas de escrita. Saber usar as palavras e escrever um bom texto é uma habilidade importante para o mercado de trabalho, então não são apenas os aspirantes a escritores que devem desenvolver a sua escrita.

Confira 3 dicas para se tornar um bom escritor:

1. Compre uma caneta e um caderno
Você precisa saber como escrever utilizando uma caneta e um caderno, e não apenas o seu teclado do computador. Escrever da forma convencional ajuda você a desenvolver a sua escrita porque você tem mais tempo para pensar do que quando está digitando.

2. Saia de casa
É muito fácil se distrair em casa. O seu telefone toca, aquele programa de televisão interessante está passando e o seu cachorro quer brincar. Por isso, encontre um lugar calmo, como uma biblioteca ou um parque, e dedique todo o seu tempo e atenção para o texto no qual está trabalhando.

3. Leia

Ler é essencial para se tornar um bom escritor. Estar em contato com os grandes nomes da literatura e pessoas que sabem utilizar as palavras para criar histórias que foram imortalizadas ajuda você a se inspirar e ampliar o seu vocabulário.

Fonte: Universia Brasil

domingo, 7 de julho de 2013

Por que ler é importante?

  


Até o computador leria se soubesse a importância disso!

Existem vários porquês da importância da leitura! Todo mundo sabe que ler é essencial, mas a maioria acha muito difícil!

Com o intuito de despertar seu interesse pela leitura, vejamos alguns motivos pelos quais você deva começar ou continuar a ler:

1. Entendimento: uma boa leitura leva a pessoa ao entendimento de assuntos distintos. Afinal, o que é entender senão compreender, perceber. Como você saberá conversar sobre determinado tema se não tem percepção ou se não o compreende?

2. Cultura: através da leitura temos possibilidade de ter contato com várias culturas diferentes. Sabemos como determinado povo se comporta, os motivos pelos quais agem de forma distinta da nossa. Além disso, compreendemos melhor o outro quando passamos a saber a história de vida que o cerca. Consequentemente, lidamos melhor com quem é diferente de nós e não temos uma opinião pobre e geral das circunstâncias.

3. Reflexivos: lendo, nos tornamos reflexivos, ou seja, formamos uma ideia própria e madura dos fatos. Quando temos entendimento dos vários lados de uma mesma história, somos capazes de refletir e chegar a um consenso, que nos traz crescimento pessoal.

4. Conhecimento: através da leitura falamos e escrevemos melhor, sabemos o que aconteceu na nossa história, o porquê de nosso clima e do idioma que falamos, dentre muitas outras possibilidades.

5. Leitura dinâmica: quem lê muito, começa a refletir mais rápido. Logo, adquire mais agilidade na leitura. Passa os olhos e já entende sobre o que o texto está falando, a opinião do escritor e a conclusão alcançada.

6. Vocabulário: esse item é fato, pois quem lê tem um repertório de vocábulos muito mais avançado do que aquele que não possui essa prática.

7. Escrita: com conhecimento, reflexão e vocabulário é óbvio que o indivíduo conseguirá desenvolver seu texto com muito mais destreza e facilidade. Quem lê, se expressa bem por meio da escrita.

8. Diversão: sim, a leitura promove diversão, pois quem lê é levado a lugares que não poderia ir “com as próprias pernas”.


9. Informação: através da leitura ficamos informados sobre o que acontece no mundo e na nossa região. A leitura informativa mais usual é o jornal impresso.

Publicado por: Sabrina Vilarinho
Disponível em: http://www.mundoeducacao.com.br/redacao

sábado, 6 de julho de 2013

Usa-se vírgula para separar sujeito de predicado?


Em uma oração, normalmente se diz algo em relação a alguma coisa ou alguém.

Sujeito é essa alguma coisa ou alguém sobre quem se fala, enquanto o predicado é aquilo que se diz a respeito dela. O predicado é composto por um verbo e seus complementos (objeto direto e objeto indireto).

Assim, como esses termos são estreitamente relacionados, não devem ser separados por vírgula:

Carlinhos trombou no poste.

Sujeito: “Carlinhos” - Predicado: “trombou no poste.”

As pessoas ruins precisam de compaixão.
Sujeito: "As pessoas ruins" - Predicado: " precisam de compaixão."

BoA TaRdE com Nietzsche


Poetizando... Quintana


BILHETE
"Se tu me amas, ama-me baixinho
Não o grites de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
Deixa em paz a mim!
Se me queres,
enfim,
tem de ser bem devagarinho, Amada,
que a vida é breve, e o amor mais breve ainda."

(Mario Quintana.)

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Bem-vindo JULHO!


"Ninguém nasce uma pessoa amarga, mas às vezes, há quem tenha uma vida difícil.

Não julgar quer mesmo dizer não julgar. Nós não temos a menor ideia do que outra pessoa possa ter passado ou do que seja estar no lugar de alguém.

Em momentos de conflito, tente a empatia em vez do julgamento. A compaixão é quase sempre a resposta."


Yehuda Berg