domingo, 30 de junho de 2013

Bom Dia DOMINGO!


Já não tenho tempo para lidar com mediocridades...
Inquieto-me com os invejosos tentando destruir quem eles admiram.
Cobiçando seus lugares, talento e sorte.....
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas
As pessoas não debatem conteúdo, apenas rótulos...
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos...
Quero a essência.... Minha alma tem pressa....
Sem muitas jabuticabas na bacia
Quero viver ao lado de gente humana...muito humana...
Que não foge de sua mortalidade.
Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade....


Rubem Alves

sexta-feira, 28 de junho de 2013

quarta-feira, 26 de junho de 2013

26 de Junho: Dia Internacional de Combate às Drogas


Quentão sem álcool

No dia 26 de junho comemora-se o Dia Internacional de Combate às Drogas que coincide com a época das Festas Juninas, tão agradáveis para todos. Assim, podemos participar das atividades festivas sem utilizar o álcool na bebida que é tão típica deste período: o quentão...


· 3 litros de suco de uva
· 3 litros de água
· gengibre ao gosto
· cravo, canela
· açúcar ao gosto


www.cenpre.furg.br

terça-feira, 25 de junho de 2013

poetizando... Florbela Espanca

Tortura
 Florbela Espanca

Tirar dentro do peito a Emoção,
A lúcida Verdade, o Sentimento!
– E ser, depois de vir do coração,
Um punhado de cinza esparso ao vento!...
Sonhar um verso de alto pensamento,
E puro como um ritmo de oração!
– E ser, depois de vir do coração,
O pó, o nada, o sonho dum momento...
São assim ocos, rudes, os meus versos:
Rimas perdidas, vendavais dispersos,
Com que eu iludo os outros, com que minto!
Quem me dera encontrar o verso puro,
O verso altivo e forte, estranho e duro,

Que dissesse, a chorar, isto que sinto!!


arte" gianni strino"

domingo, 23 de junho de 2013

Dicas: Como montar um texto dissertativo

 Como montar um texto dissertativo


A montagem do texto é um dos momentos mais importantes, pois não basta ter o que dizer, mas também como se vai dizer. Neste momento de montagem do texto ocorre a escolha do que deve ficar e do que deve sair. Se necessário, acrescente algumas coisas e retire outras, "enxugando" e "refinando" o que escreveu.

Este é também, o momento de consultar a gramática e um bom dicionário. Após isso, ordenar as frases, fundamentalmente a partir de dois critérios:

•  Perceber a diferença entre o principal e o secundário, hierarquizando a seqüência de parágrafos de modo a tornar claro, legível e interessante o seu texto ao leitor.

• Saber conciliar ponto de vista, opinião, tomada de posição com argumento, fundamentação, subsídio para que aquilo que você viu, relatou ou questiono.

Dê consistência ao seu texto. Ele precisa ter vínculo lógico com o real e ao mesmo tempo deve despertar prazer em quem lê.


Seja qual for o tipo, a base do bom texto está no equilíbrio entre afirmar (ou sugerir) e subsidiar com elementos pertinentes a afirmação.

Dicas: Como escrever um bom texto dissertativo

Como escrever um bom texto dissertativo



Uma boa dissertação deve ser bem estruturada, mas também deve ter uma linguagem bem trabalhada, ou seja, é preciso seguir a norma culta e procurar construir um texto que use uma linguagem mais formal. Para que você consiga trabalhar bem com esse nível de linguagem, procure ler sempre editoriais e artigos de opinião de jornais, prestando bastante atenção ao modo como os autores desses textos exploram os recursos linguísticos.

Para ter um exemplo de um texto que trabalha bem com a linguagem, leia a dissertação abaixo produzida por um aluno e disponibilizada por um professor muito competente na área.


Falsa solidariedade

Todo ano vemos, em nosso país, campanhas para arrecadar agasalhos, alimentos, todas elas de muito "sucesso", segundo a mídia e organizadores, mas fica difícil entender: se têm êxito, por que são necessárias todo ano? Provavelmente pelo fato de não ser realmente solidariedade, são apenas atos paliativos e efémeros, os quais são feitos para nos redimirmos de nosso individualismo, livrando-nos da culpa de ver alguém sofrendo.
O Brasil – segundo pesquisa divulgada no jornal O Estado de São Paulo - é o país mais solidário do mundo, no entanto aqui reina a miséria e a desigualdade; tal fato, se visto de uma maneira geral, pode levar a conclusões equivocadas, pois poderíamos pensar que a solidariedade não tem serventia. Contudo, na verdade, o que o brasileiro faz, em grande parte, é dar esmolas, ato que não surte efeito. Embora amenize a sensação de culpa, torna as pessoas dependentes, necessitando, assim, de uma constante "doação", tornando-nos um povo muito solidário.
No entanto, existe a solidariedade verdadeira, fruto da vontade de ajudar, não havendo interesses pessoais por trás das atitudes. Um exemplo disto é Dona Zilda Arns, da Pastoral da Criança, ela conseguiu, através de vários projetos, baixar a taxa de mortalidade infantil em várias regiões brasileiras; além dela, existem os anônimos, que atuam em hospitais, escolas e fundações que apoiam pessoas em dificuldade, estes praticam a solidariedade em troca de sorrisos e "obrigados". Eles levam a felicidade que, como a solidariedade, é algo sem preço.
No Brasil confunde-se solidariedade com esmola, este é o motivo da ineficácia das campanhas: doando estamos apenas fazendo com que os outros se tornem dependentes. O correto seria dar condições para que todos pudessem se tornar independentes. Embora essas doações sejam um começo, é necessário que não nos prendamos somente a essas atitudes, precisamos evoluir para a solidariedade verdadeira, fruto da espontaneidade, não da culpa.


Recursos linguísticos usados pelo aluno na dissertação:

Vejamos agora alguns recursos empregados por esse aluno que ajudaram a deixar a linguagem do texto em um nível acima da média dos que prestam um vestibular.

1) Título objetivo

O título desse texto retoma as palavras principais do ponto de vista defendido pelo autor, portanto esse título é curto, objetivo e faz um resumo do que será discutido no texto. Assim, temos um título muito bom para uma dissertação.

2) Separação do texto em parágrafos

O texto está organizado em parágrafos, os quais têm vários períodos em seu interior. Ao lermos o texto, conseguimos perceber claramente em que parágrafo está a introdução, os argumentos e a conclusão.

3) Exploração de um vocabulário típico da escrita com linguagem formal

Note que o aluno usou desde o primeiro parágrafo palavras como "efémero", "paliativo", "redimir" etc, as quais não são usadas em nossa fala cotidiana, mas são encontradas em textos mais formais de jornais ou livros. Além disso, não encontramos, no texto, problemas de ortografia ou acentuação.

4) Exploração dos sinais de pontuação

No texto, não encontramos só os tradicionais ponto final e vírgula. Há aspas, ponto-e-vírgula, travessão, interrogação, os quais ajudam a deixar o texto mais coeso e a veicular melhor o sentido pretendido pelo autor.

5) Exploração de conjunções

O aluno usa conjunções para estabelecer as relações entre as frases e os parágrafos, contudo conjunções mais típicas da escrita como "no entanto", "embora", "assim" etc.
Por fim, lembre-se de que você também pode escrever usando uma linguagem mais formal: leia bastante, consulte gramáticas e dicionários; e, procure sempre, ao construir os seus textos, fazer um rascunho antes e, a seguir, revisar bem a linguagem, procurando sempre ver como poderia melhorá-la, adequando-a ao padrão culto e formal do português.

Elaboração de redações a partir de imagens (estímulo visual)

Como fazer redações a partir de imagens

Veja como proceder no momento de produzir uma dissertação a partir de um desenho, gravura, "charge" ou qualquer outro tipo de estímulo visual. Isso tem sido cada vez mais comum nos exames que avaliam a competência dos alunos em interpretar textos verbais e não verbais. 

Estímulo visual sem texto

Imagine que você tenha de dissertar com base neste desenho:


Para compreender o conteúdo básico do desenho, podemos estabelecer, a princípio, que não está havendo comunicação propriamente dita, pois o desenho sugere que um dos interlocutores não está ouvindo o outro. Caso esteja ouvindo, não o faz com a devida atenção, para que possa sustentar um diálogo produtivo.
Deste conteúdo podemos elaborar um tema.
Apesar da importância da comunicação para uma melhor convivência, nota-se claramente que falar é fácil, mas ouvir e dialogar é uma prática que não se encontra com facilidade.


Para desenvolver esta redação aplicaremos um modelo básico de dissertação:

Ouvir: missão quase impossível
Caso um dia parássemos para analisar como são as conversas, os supostos ''diálogos'' ocorridos nas diversas situações do nosso cotidiano, ficaríamos surpresos com os inúmeros elementos que interferem negativamente no processo de comunicação,dentre eles destacamos a agitação das cidades grandes, a falta de paciência em ouvir e a ansiedade de falar.

Envolvidos na rotina e na neurotizante correria das grandes cidades, já de início torna-se difícil imaginar que o diálogo entre duas ou mais pessoas possa ser diferente de frases interrompidas, mal-entendidos, perguntas sem resposta, ou mesmo a total falta de oportunidade de conversar. Quantas vezes nos corredores de firmas, fábricas, escolas e tantos outros lugares, a cena se repete: duas pessoas andando em sentidos opostos, vão conversando enquanto se distanciam, aumentando o tom de voz até que se perdem de vista, interrompendo, assim, o assunto tratado.
Outro elemento que dificulta substancialmente o estabelecimento do diálogo é a incapacidade de ouvir. Ouvir não é só escutar o que o outro disse, mas é entender o que o interlocutor falou e refletir sobre o que escutou, a fim de dar continuidade à conversa. O que mais podemos notar nos diálogos é a falta de paciência para ouvir o que a pessoa tem a dizer até que ela conclua seu raciocínio e possa, dessa forma, fazer-se entender. Ao que parece, essa impaciência é fruto, em parte, de uma certa ansiedade que cada um tem em comunicar suas ideias.
Assim, o que se costuma ver habitualmente é um arremedo de diálogo através do qual as pessoas dificilmente conseguem uma interação pela linguagem oral. Acreditamos que no dia em que essas dificuldades forem superadas, cada indivíduo poderá ampliar a compreensão do outro e, consequentemente, da própria natureza humana.

Como você pôde perceber, passamos pelas seguintes etapas até chegar à dissertação:

1.   Compreensão do conteúdo básico do desenho.
2.   Formulação de um tema dissertativo.
3.   Aplicação de uma das técnicas.
4.   Elaboração de uma dissertação.

Evidentemente esse desenho poderia ter propiciado a formulação de um tema diferente do que apresentamos, mas que teria de estar necessariamente associado ao seu conteúdo básico.

Abaixo, mais alguns desenhos que servirão de estímulo par a produção de textos dissertativos. Confira!

1.



2.



3.


4.


E aí, consegue imaginar o tema de cada uma das imagens?

Bom trabalho!


Um DoMiNgO EsPeTaCuLaR...


"O que faz a espiritualidade do ser humano não é a religião ou o culto que prega, mas sim o comportamento dele diante da humanidade em geral, o respeito que tem pela natureza e os conceitos que possui sobre o universo e o seu próprio ser."

sábado, 22 de junho de 2013

A DiSSeRtAçÃo em PaUtA...


Um texto dissertativo difere de um texto dissertativo-argumentativo por não haver a necessidade de demonstrar a verdade de uma ideia, ou tese, mas apenas de expô-la.
Você deve evitar elaborar um texto de caráter apenas dissertativo, ou seja, expor um aspecto relacionado ao tema sem defender uma posição, sem defender uma tese. Isso não atenderá às exigências para avaliação dessa competência.

Ah, eu amo LER!


terça-feira, 18 de junho de 2013

O BRASIL alterou seu status...


poetizando...


O VELHO E A FLOR

Vinícius de Moraes

Por céus e mares eu andei,
Vi um poeta e vi um rei
Na esperança de saber
O que é o amor.

Ninguém sabia me dizer,
Eu já queria até morrer
Quando um velhinho
Com uma flor assim falou:

O amor é o carinho,
É o espinho que não se vê em cada flor.
É a vida quando
Chega sangrando aberta
em pétalas de amor.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

poetizando...



Eu amo tudo o que foi
Fernando Pessoa

Eu amo tudo o que foi,
Tudo o que já não é,
A dor que já me não dói,
A antiga e errônea fé,
O ontem que dor deixou,
O que deixou alegria
Só porque foi, e voou
E hoje é já outro dia.

palavra do dia: glotologia


glotologia
(grego glôtta, -és, língua + -logia)
s. f.

Estudo científico das línguas. = GLÓTICA

domingo, 16 de junho de 2013

quinta-feira, 13 de junho de 2013

poetizando... Pessoa





Santo Antônio de Lisboa

Era um grande pregador,

Mas é por ser Santo Antônio

Que as moças lhe têm amor.




Fernando Pessoa

bOa nOiTe com Um Bom LiVrO!


DEPOIMENTO (25): Como a Educação mudou minha vida?


Para entender Fernando Pessoa

Literatura: Para entender Fernando Pessoa
  
13/06/2012 10:43

Texto Marion Frank
Álvaro de Campos, Alberto Caeiro, Ricardo Reis, Bernardo Soares ou Fernando Pessoa, ele mesmo?

 O professor universitário  Fernando Segolin fala do grande poeta da língua portuguesa.

CoNFiRa a entrevista na íntegra!

Há 125 anos nascia o poeta português FERNANDO PESSOA


BoM DiA!


Que seu dia também seja como o meu, O PREDILETO!

segunda-feira, 10 de junho de 2013

UmA ÓtImA nOiTe...


"Uma vida bem vivida é uma vida com objetivos bem definidos. Um dia dedicado a eles não ficará sem recompensa."

sábado, 8 de junho de 2013

Ah, os livros... os livros sabem de cor!


Os livros sabem de cor
milhares de poemas.
Que memória!
Lembrar, assim, vale a pena.
Vale a pena o desperdício,
Ulisses voltou de Tróia,
assim como Dante disse,
o céu não vale uma história.
Um dia, o diabo veio
seduzir um doutor Fausto.
Byron era verdadeiro.
Fernando, pessoa, era falso.
Mallarmé era tão pálido,
mais parecia uma página.
Rimbaud se mandou pra África,
Hemingway de miragens.
Os livros sabem de tudo.
Já sabem deste dilema.
Só não sabem que, no fundo,
ler não passa de uma lenda.


Paulo Leminski

quarta-feira, 5 de junho de 2013

´palavra do dia: macambúzio


macambúzio
(origem duvidosa)
adj.

[Informal]  Que não mostra alegria ou tem tendência para se isolar. = EMBEZERRADO, SORUMBÁTICO, TRISTE

Dica cErtA (3)



Para "mim" fazer. Mim não faz, porque não pode ser sujeito. 
Assim: Para eu fazer, para eu dizer, para eu trazer.

Entre "eu" e você. Depois de preposição, usa-se mim ou ti:
Entre mim e você. / Entre eles e ti.

DEPOIMENTO (24): Como a Educação mudou minha vida?


terça-feira, 4 de junho de 2013

Dica cErtA (2)


"Mal cheiro", "mau-humorado". 


Mal opõe-se a bem e mau, a bom

Assim: mau cheiro (bom cheiro), mal-humorado (bem-humorado). 

Igualmente: mau humor, mal-intencionado, mau jeito, mal-estar.

Dica cErtA (1)



"Houveram" muitos acidentes. 

Haver, como existir, também é invariável:

Houve muitos acidentes. / Havia muitas pessoas. / Deve haver muitos casos iguais.

BoA TaRdE!


segunda-feira, 3 de junho de 2013

Uma tArdE iLuMiNaDa...


Alguns casos de concordância verbal


A concordância verbal trata das alterações do verbo, para acompanhar a flexão do  sujeito.

1. Como regra geral, o verbo concorda com o seu sujeito em pessoa e número:

Exemplo:     As garotas                   comeram  muito chocolate.
                   sujeito plural                          verbo plural

Em certas situações essa concordância provoca dúvidas.

Vejamos alguns casos:

2. Sujeito composto:

- Sujeito antes do verbo: fica plural.

Exemplo:  A falta de dinheiro e a greve dos professores         confirmaram o caos na educação do país.
                                  sujeito composto                                verbo no plural

- Sujeito após o verbo: fica no plural ou concorda com o elemento que estiver mais próximo.

Exemplo1:       Passarão                      o céu e a terra.
                  verbo no plural               sujeito composto

Exemplo2:       Passará                        o céu e a terra.
                   verbo no singular           sujeito composto

3.  Elementos ligados por ou:

 - Se a conjunção cria relação de exclusividade, o verbo fica no singular.

Exemplo:   Guilherme ou Estevão será eleito presidente. (somente um será eleito)
                                       singular

- Se a conjunção não cria relação de exclusividade, o verbo vai para o plural.

Exemplo:    Correr ou nadar exigem bom preparo físico. (os dois exigem)
                                                  plural

4. Expressões um e outro / nem um nem outro: o verbo pode ficar no singular ou plural.

Exemplos:  Nem um nem outro ganhou. (verbo no singular)
                  Nem um nem outro ganharam. (verbo no plural)

Sem erros de Português


domingo, 2 de junho de 2013