terça-feira, 30 de abril de 2013

Dica2: Daqui A ou HÁ uma semana?

Fonte: Dicas Diárias de Português (facebook)

Dica: A partir


Trevo-de-quatro-folhas



Fonte: Dicas diárias de Português (facebook)

Vítima fatal: essa expressão é correta?


Verbos que apresentam DUAS formas de particípio passado: COnfira!


O acento agudo deixa de existir em alguns poucos casos



O acento agudo deixa de existir em alguns poucos casos, vejamos:

• Paroxítonas:

1. Nas palavras paroxítonas, ou seja, nos vocábulos cuja tonicidade recai na penúltima sílaba, os ditongos abertos ei e oi que eram acentuados, não são mais. Este fato é justificado na existência de oscilação entre a abertura e fechamento na articulação destas palavras. Assim, alguns termos que hoje se escreve de um jeito, tomam novos formatos ortográficos, como: assembleia, ideia, jiboia, proteico, heroico, etc. Já outros, continuam como são: cadeia, cheia, apoio, baleia, dezoito, etc.

Porém, o acento agudo permanece nas oxítonas (vocábulos cuja tonicidade incide na última sílaba) e nos monossílabos tônicos com ditongos abertos –éi, -éu ou oi, seguidos ou não de –s: papéis, herói, remói, anéis, ilhéus, chapéu, etc.


2. Nas palavras paroxítonas com hiatos formados com i e u, sendo que a vogal anterior a estas faz parte de um ditongo, ou seja, quando são precedidas de ditongo. Dessa forma: feiúra passa a ser feiura, baiúca passa a ser baiuca.

Entretanto, as vogais i e u, oxítonas ou paroxítonas, continuam a ser acentuadas se a vogal que antecede estas não formar ditongo: saída, cafeína, egoísmo, baía, ciúme, recaída, sanduíche, Piauí, etc.

3. Nos verbos em que o acento tônico incide na raiz, com as consoantes g ou q precedendo a vogal tônica u. É o caso de: arguir e redarguir: arguo, arguis, argui, arguem, e assim por diante.


Por Sabrina Vilarinho
Graduada em Letras
Equipe Brasil Escola

É correto "A nível de" ?



Disponível em:
http://www.facebook.com/DicasDiariasdePortugues

Este, Esse , Aquele

 

CONFIRA>http://www.ic.unicamp.br/~ariadne/mo901/1s2012/este-esse-aquele.pdf

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Formas Gráficas Variantes: manual de Redação da PUC_RS



Formas Gráficas Variantes

 Definição

 Formas gráficas variantes são formas equivalentes que apresentam mais de uma grafia.

O Pequeno Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (PVOLP), para respeitar, provavelmente, usos de diversos níveis ou padrões linguísticos, registra inúmeras formas variantes.

 Lista de formas gráficas variantes:

abdome e abdômen
açoitar, açoite e açoutar, açoute
afeminado e efeminado
afoito ou afouto
aluguel ou aluguer
antiguidade e antigüidade
aritmética e arimética
arrebitar e rebitar
arremedar e remedar
assoalho e soalho
assobiar e assoviar
assoprar e soprar
azalea e azaléia
bêbado e bêbedo
bilhão e bilião
bílis e bile
biscoito e biscouto
bombo e bumbo
bravo e brabo
caatinga e catinga
cãibra e câimbra
caíque e caíco
cálice e cálix
carroçaria e carroceria
catorze e quatorze
catucar e cutucar
chipanzé e chimpanzé
cobarde e covarde
cociente e quociente
coisa e cousa
cota e quota
cotidiano e quotidiano
cotizar e quotizar
cuspe e cuspo
degelar e desgelar
demonstrar e demostrar
dependurar e pendurar
desenxavido e desenxabido
elucubração e lucubração
enfarte e infarto
engambelar e engabelar
entoação e entonação
enumerar e numerar
equivaler e eqüivaler
equivalente e eqüivalente
espuma e escuma
estalar e estralar
este e leste
exorcizar e exorcismar
fação e facção
flauta e frauta
flecha e frecha
fleuma e flegma
geringonça e gerigonça
gorila e gorilha
gueixa e guexa
heem? e hein?
hemorróidas e hemorróides
homogeneizar e homogenizar
húmus e humo
impingem e impigem
imundícia, imundície e imundice
intrincado e intricado
lantejoula e lentejoula
lânguido e lânguido
lide e lida
limpar e alimpar
liquidar e liquidar
liquidificador e liquidificador
líquido e líquido
lisonjear e lisonjar
lótus e loto
louça e loiça
louro e loiro
macaxeira e macaxera
maçom e mação
maltrapilho e maltrapido
maquiagem e maquilagem
marimbondo e maribondo
melancólico e merencório
menosprezo e menospreço
mobiliar, mobilhar e mobilar
neblina e nebrina
nenê, neném e nenen
olimpíada e olimpíade
parênteses e parêntesis
percentagem e porcentagem
pitoresco, pinturesco e pintoresco
plancha e prancha
pólen e polem
presépio e presepe
quadrênio e quatriênio
quatrilhão e quatrilião
rádio e radium
radioatividade e radiatividade
rastro e rasto
registro e registo
relampear e relampejar
remoinho e redemoinho
retorquir e retorqüir
salobra e salobre
sanguinário e sangüinário
sanguíneo e sangüíneo
seção e secção
selvageria e selvajaria
séquito e séqüito
sobressalente e sobresselente
súbdito e súdito
subtil e sutil
surripiar e surrupiar
susceptível e suscetível
taberna e taverna
taramela e tramela
televisar e televisionar
tesoura e tesoira
tesouro e tesoiro
toicinho e toucinho
transvestir e travestir
treinar e trenar
tríade e tríada
trilhão e trilião
vasculhar e basculhar
várzea, várgea
vargem e varge
volibol e voleibol
xícara e chícara

Acesso em: 29.04.2013

Que letra empregar no início de itens de um texto, depois de dois-pontos?





Segundo o Manual de redação da PUC do Rio Grande do Sul, há três opções:

1ª: Iniciar cada item com letra minúscula e terminar com ponto-e-vírgula, com exceção do último item, que acaba com ponto final.

Exemplo:
"Art. 4 - Constituída pela comunidade de professores, funcionários e alunos, a Universidade tem por finalidades:
I. manter e desenvolver a educação, o ensino, a pesquisa e a extensão em padrões de elevada qualidades;
II. formar profissionais competentes nas diferentes áreas do conhecimento, cônscios da responsabilidade e do compromisso social como cidadãos.

2ª: Iniciar cada item com maiúscula ou minúscula e terminar sempre com ponto final.

Exemplo:
"Algumas dicas podem ser úteis para o tratamento de paciente violento:
1. Não brigue com o paciente, respondendo com raiva ou, por outro lado, sendo condescendente. Demonstre firmeza sem ser rude.
2. Não toque o paciente ou o assunte, nem o aborde subidamente sem aviso (...)".

3ª: Iniciar cada item com minúscula ou maiúscula e terminar sem nenhuma pontuação.

Exemplo:
"As manifestações clínicas usualmente encontradas na insuficiência respiratória aguda (IRA) são:
- Dificuldade em articular frases ou palavras
- Cianose periférica ou central
- Confusão mental

Usa da letra MAIÚSCULA


Maiúsculas
     A letra maiúscula é um recurso gráfico utilizado para dois propósitos: 
1º - assinalar o início do período (em oposição ao ponto final, que o encerra) e 
2º - dar destaque a uma palavra, seja ela um substantivo próprio ou não. 

Uma vez alfabetizados, não temos dificuldade em utilizar a maiúscula para o primeiro propósito, mas temos dúvidas frequentes sobre quando dar ou não destaque à palavra.

O Formulário Ortográfico de 1943, que rege a matéria, não foi suficiente explícito quanto ao estabelecimento de normas. Além do mais, dá margem à flexibilidade, quando permite o uso de inicial maiúscula por "especial relevo", por "deferência, consideração, respeito", quando "se queira realçar", ou na designação de "alto conceito", "altos cargos, dignidades ou postos." Assim, sempre se poderia justificar o uso de maiúsculas pela "ênfase" ou "destaque".

O que se observa hoje em dia são as seguintes tendências:
 1. As grandes companhias jornalísticas criam, para vários casos, normas próprias e acabam criando uma tendência.
 2. O emprego de maiúsculas em excesso, os negritos, os sublinhados ou os destaques estão caindo de moda, já que "poluem" o texto.
  3.  A tendência é, pois, a seguinte:
  •       mais formalidade, mais deferência, mais ênfase: maiúscula;
  •       mais modernidade, menos "poluição" gráfica, mais simplicidade: minúscula.

Nunca se pode esquecer, no entanto, da regra taxativa que preceitua o emprego obrigatório de letra inicial maiúscula nos substantivos próprios de qualquer natureza.

Fonte: http://www.pucrs.br/manualred/maiusculas.php

pensamento da TaRde...


"Não haverá borboletas se a vida não passar por longas e silenciosas metamorfoses."
 Rubem Alves

HOJE: Dia Internacional da DANÇA

                     "A dança é a mãe de todas linguagens."

Art Leonid Afremov

sexta-feira, 26 de abril de 2013

A ambiguidade do SE/SUA



Quando escrevemos, devemos ter como preocupação constante o entendimento que o leitor terá de nosso texto.

Não basta compreendermos nossos escritos; o mais importante é o outro compreender bem.

Se tivermos essa preocupação, estaremos mais "vacinados" contra problemas como a ambiguidade da seguinte frase, retirada de uma revista: 

"Prefeito cumprimenta governador em seu aniversário".

Ao lê-la, temos duas interpretações:

1. O prefeito cumprimentou o governador no dia do aniversário do chefe do Executivo estadual.
2. O prefeito, no dia de seu aniversário, cumprimentou o governador.Em alguns casos, a solução desse problema é a substituição do seu/sua pelo dele/dela.

Não é, porém, o caso dessa frase, pois coincidiu de os substantivos "prefeito" e "governador" terem o mesmo gênero e número.

Ou seja, ficaria do mesmo modo ambíguo "Prefeito cumprimenta governador no aniversário dele".

Alguns advogam a repetição do substantivo após o "dele", entre parênteses, para resolver o problema: "Prefeito cumprimenta governador no aniversário dele (o governador)".

A nosso ver, essa saída pode ser boa para a compreensão, mas é péssima para o estilo.

O ideal mesmo é mudar a redação: se o aniversário for do prefeito, "Em seu aniversário, prefeito cumprimenta governador"; se o aniversário for do governador, "Prefeito cumprimenta governador pelo aniversário".

De tudo isso, fica a lição de que o seu/sua tem forte potencial para causar ambiguidade e, por isso, o emprego dele deve ser feito com muito critério.

Fonte:por Dicas Diárias de Português (Notas) em Segunda, 26 de setembro de 2011 às 23:17

Plural de ancião... confira!


O plural de palavras terminadas em -ão varia conforme a forma latina da palavra que lhe deu origem. Isso porque a terminação em português é resultado do desenvolvimento de três terminações latinas, que tiveram o sinal de nasalação da letra (o til) em substituição da letra n: "-ane", "-anu" e "-one", que respectivamente acabaram no plural em -ães, -ãos e -ões.

   Assim, temos os exemplos:      Cão (em latim «cane») – cães   Pão (em latim "pane") – pães   Mão (em latim "manu") – mãos   Tradição (em latim «traditione») – tradições
Em relação à palavra ancião, que tem origem no francês antigo "ancien", o dicionário Aurélio registra três possibilidades para o plural: anciãos, anciães e anciões.

Fonte: por Marcone Silfer (Notas) em Quarta, 15 de fevereiro de 2012 às 10:47

2ª dica de hoje: Ocorrência da CRASE



A ocorrência da crase está ligada à regência. O acento grave indicativo da crase pode ser identificado na substituição do À por para a(s), pela(s), com a(s), na(s), da(s), ao(s); àquele (a), àquilo (= a este (a), a isto); à que (= aquela que).

Não ocorre crase diante de palavras masculinas, de verbos, de palavras repetidas, de pronomes em geral, de a (sing) + palavra no plural.

Fonte:por UTI | Unidade de Tratamento Intelectual (Notas) em Domingo, 28 de outubro de 2012 às 12:41

RESUMO: Figuras de Linguagem




Definição: FIGURAS DE LINGUAGEM são certos recursos não convencionais que o falante ou escritor cria para dar maior expressividade à sua mensagem.


METÁFORA- É o emprego de uma palavra com o significado de outra em vista de uma relação de semelhança entre ambas. É uma comparação subentendida.
Exemplo: Essa rua é um verdadeiro deserto.

COMPARAÇÃO-Consiste em atribuir características de um ser a outro, em virtude de uma determinada semelhança.
Exemplo: O carro dele é rápido como um avião.

PROSOPOPEIA- É uma figura de linguagem que atribui características humanas a seres inanimados. Também podemos chamá-la de PERSONIFICAÇÃO.
Exemplo: O céu está mostrando sua face mais bela.

SINESTESIA- Consiste na fusão de impressões sensoriais diferentes.
Exemplo: Aquela criança tem um olhar tão doce!

CATACRESE- É uma metáfora desgastada, tão usual que já não percebemos. Assim, a catacrese é o emprego de uma palavra no sentido figurado por falta de um termo próprio.
Exemplo: O menino quebrou o "braço da cadeira" - "A manga" da camisa rasgou.

METONÍMIA- É a substituição de uma palavra por outra, quando existe uma relação lógica, uma proximidade de sentidos que permite essa troca. Ocorre metonímia quando empregamos:

- O autor pela obra.
Exemplo: Li Jô Soares dezenas de vezes. (a obra de Jô Soares)- o continente pelo conteúdo.
Exemplo: O ginásio aplaudiu a seleção. (ginásio está substituindo os torcedores)

- a parte pelo todo.
Exemplo: Vários brasileiros vivem sem teto, ao relento. (teto substitui casa)

- o efeito pela causa.
Exemplo: Suou muito para conseguir a casa própria. (suor substitui o trabalho)

PERÍFRASE- É a designação de um ser através de alguma de suas características ou atributos, ou de um fato que o celebrizou.
Exemplo: A Veneza Brasileira também é palco de grandes espetáculos. (Veneza Brasileira = Recife)

ANTÍTESE- Consiste no uso de palavras de sentidos opostos.
Exemplo: Nada com Deus é tudo.Tudo sem Deus é nada.

EUFEMISMO- Consiste em suavizar palavras ou expressões que são desagradáveis.
Exemplo: Ele foi repousar no céu, junto ao Pai. (repousar no céu = morrer)

HIPÉRBOLE- É um exagero intencional com a finalidade de tornar mais expressiva a ideia.
Exemplo: Ela chorou "rios" de lágrimas.

IRONIA- Consiste na inversão dos sentidos, ou seja, afirmamos o contrário do que pensamos.
Exemplos: Que alunos inteligentes, não sabem nem somar!   Se você gritar mais alto, eu agradeço.

ONOMATOPEIA- Consiste na reprodução ou imitação do som ou voz natural dos seres.
Exemplo: Com o au-au dos cachorros, os gatos desapareceram.

ALITERAÇÃO- Consiste na repetição de um determinado som consonantal no início ou interior das palavras.
Exemplo: O rato roeu a roupa do rei de Roma.

ELIPSE- Consiste na omissão de um termo que fica subentendido no contexto, identificado facilmente.
Exemplo: Após a queda, nenhuma fratura. (não houve)

ZEUGMA- Consiste na omissão de um termo já empregado anteriormente.
Exemplo: Ele come carne, eu verduras. (como)

PLEONASMO- Consiste na intensificação de um termo através da sua repetição, reforçando seu significado.
Exemplo: Nós cantamos um canto glorioso.

NOTA: o ANACOLUTO ocorre com freqüência na linguagem falada, quando o falante interrompe a frase, abandonando o que havia dito para reconstruí-la novamente.

ANÁFORA- Consiste na repetição de uma palavra ou expressão para reforçar o sentido, contribuindo para uma maior expressividade.
Exemplo: Cada alma é uma escada para Deus,Cada alma é um corredor-Universo para Deus,Cada alma é um rio correndo por margens de Externo Para Deus e em Deus com um sussurro noturno. (Fernando Pessoa)

SILEPSE- Ocorre quando a concordância é realizada com a ideia e não sua forma gramatical. Existem três tipos de silepse: gênero, número e pessoa.

De gênero.
Exemplo: 
Vossa excelência está preocupado com as notícias. (a palavra vossa excelência é feminina quanto à forma, mas nesse exemplo a concordância se deu com a pessoa a que se refere o pronome de tratamento e não com o sujeito).

De número.
Exemplo: 
A boiada ficou furiosa com o peão e derrubaram a cerca. (nesse caso a concordância se deu com a ideia de plural da palavra boiada).

De pessoa
Exemplo:
As mulheres decidimos não votar em determinado partido até prestarem conta ao povo. (nesse tipo de silepse, o falante se inclui mentalmente entre os participantes de um sujeito em 3ª pessoa).



por UTI | Unidade de Tratamento Intelectual (Notas) em Terça, 20 de novembro de 2012 às 20:03

1ª dica de HoJe, sexta-feira:26.04


Fonte: http://www.facebook.com/DicasDiariasdePortugues?hc_location=stream

quinta-feira, 25 de abril de 2013

DiFeReNçA EnTrE: AGENTE e A GENTE


AgRaDeÇa CoRReTaMeNtE...


DiCaS: oRtOgRaFiA


UsO CoRReTo dos PORQUÊS!


Verbo FAZER: tempo decorrido... confira!


DiCaS de AcEnTuAçÃo...


QuAnDo UsAr oS TeRmOs: ONDE e AONDE


cOnFiRa: PeCaDoS da LíNgUa!


terça-feira, 23 de abril de 2013

nAdA de mEnTe FeChAdA!


Dia mundial do livro... aMo mUiTo tUdo iSSo!


"'E na biblioteca eu percebi a imensidão do mundo.
Tinha tudo ao meu alcance, todas as idéias, as histórias, as aventuras, as mentiras, o passado e o futuro, o amor e o ódio, o perigo e o crime, mas muita felicidade a cada palavra impressa nas páginas de cada livro. E esse mundo me fascinou.
Queria ali morar"
(desconhecido)

Ah, a leitura...


23 de abril: Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor


Os Livros São Janelas

 
Vi um livro no lixo e arrepiei-me pensando que há livros que nascem mortos. Pode-se viver sem ler ? Quem não lê não entra no rio da história e quem lê é como o mar onde desaguam muitos rios. Comprar um livro é sempre como a primeira vez, como quem marca um encontro para receber uma confidência. Uma casa sem livros está desabitada, é uma pensão... Os livros são janelas. Hoje vou abrir uma delas.
- Pe. Vasco Pinto de Magalhães, in "Não Há Soluções, Há Caminhos".
Instituído pela Conferência Geral da Unesco, o Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor presta tributo a grandes autores da literatura mundial que nasceram ou morreram neste dia. É o caso de Cervantes, Shakespeare, Inca Garcilaso de la Vega, Maurice Druon, Vladimir Nabokov, Josep Pla e Manuel Mejía Vallejo. A celebração procura também fazer com que as pessoas descubram o prazer da leitura e respeite a obra daqueles que contribuíram para o progresso social e cultural da Humanidade.

O dia foi criado na XXVIII Conferência Geral da UNESCO que ocorreu entre 25 de Outubro e 16 de Novembro de 1995.


Fonte: http://www.elfikurten.com.br/2012/07/bibliotecas-tesouros-da-humanidade.html