sexta-feira, 31 de agosto de 2012

poetizando...

Os 10 melhores poemas de todos os tempos

1) O Corvo

Numa meia-noite cava, quando, exausto, eu meditava
Nuns estranhos, velhos livros de doutrinas ancestrais
E já quase adormecia, percebi que alguém batia
Num soar que mal se ouvia, leve e lento, em meus portais.
Disse a mim: "É um visitante que ora bate em meus portais´-
É só isto, e nada mais."

Ah! tão claro que eu me lembro! Era um frio e atroz dezembro
E as chamas no chão, morrendo, davam sombras fantasmais,
E eu sonhava logo o alvor e pra acabar com a minha dor
Lia em vão, lembrando o amor desta de dons angelicais
A qual chamam Leonora as legiões angelicais,
Mas que aqui não chamam mais.

E um sussurro triste e langue nas cortinas cor de sangue
Assustou-me com tremores nunca vistos tão reais,
E ao meu peito que batia eu mesmo em pé me repetia:
"É somente, em noite fria, um visitante aos meus portais
Que, tardio, pede entrada assim batendo aos meus portais.
É só isto, e nada mais.

Neste instante a minha alma fez-se forte e ganhou calma
E "Senhor" disse, ou "Senhora, perdoai se me aguardais,
Que eu já ia adormecendo quando viestes cá batendo,
Tão de leve assim fazendo, assim fazendo em meus portais
Que eu pensei que não ouvira" - e abri bem largo os meus portais: -
Treva intensa, e nada mais.

Longamente a noite olhei e estarrecido me encontrei,
E assustado, tive sonhos que ninguém sonhou iguais,
Mas total era o deserto e ser nenhum havia perto
Quando um nome, único e certo, sussurrei entre meus ais -
- "Leonora" - esta palavra - e o eco a repôs entre meus ais.
E isto é tudo, e nada mais.

Trecho de “O Corvo”, de Edgar Allan Poe.
Tradução de Alexei Bueno.

pensamento do dia!


Não penses mal dos que procedem mal; pensa somente que estão equivocados.
Sócrates

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Como elaborar seminário


O TEXTO EXPOSITIVO ORAL:
SEMINÁRIO

Assista ao tutorial a seguir e amplie seus conhecimentos sobre este gênero oral muito solicitado nas instituições educacionais.






segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Colocação Pronominal



Colocação Pronominal

(próclise, mesóclise, ênclise)


É o estudo da colocação dos pronomes oblíquos átonos (me, te, se, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes) em relação ao verbo.
Os pronomes átonos podem ocupar 3 posições: antes do verbo (próclise), no meio do verbo (mesóclise) e depois do verbo (ênclise).
Esses pronomes se unem aos verbos porque são “fracos” na pronúncia.

PRÓCLISE
Usamos a próclise nos seguintes casos:

(1) Com palavras ou expressões negativas: não, nunca, jamais, nada, ninguém, nem, de modo algum.
- Nada me perturba.
 - Ninguém se mexeu.
- De modo algum me afastarei daqui.
- Ela nem se importou com meus problemas.

(2) Com conjunções subordinativas: quando, se, porque, que, conforme, embora, logo, que.
- Quando se trata de comida, ele é um “expert”.
 - É necessário que a  deixe na escola.
- Fazia a lista de convidados, conforme me lembrava dos amigos sinceros.

(3) Advérbios
- Aqui se tem paz.
 - Sempre me  dediquei aos estudos.
- Talvez o veja na escola.

OBS: Se houver vírgula depois do advérbio, este (o advérbio) deixa de atrair o pronome.
- Aqui, trabalha-se.

(4) Pronomes relativos, demonstrativos e indefinidos.
- Alguém me ligou? (indefinido)
 - A pessoa que me ligou era minha amiga. (relativo)
- Isso me traz muita felicidade. (demonstrativo)

(5) Em frases interrogativas.
- Quanto me cobrará pela tradução?

(6) Em frases exclamativas ou optativas (que exprimem desejo).
- Deus o abençoe!
 - Macacos me mordam!
- Deus te abençoe, meu filho!

(7) Com verbo no gerúndio antecedido de preposição EM.
- Em se plantando tudo dá.
 - Em se tratando de beleza, ele é campeão.

(8) Com formas verbais proparoxítonas
- Nós o censurávamos.

MESÓCLISE
Usada quando o verbo estiver no futuro do presente (vai acontecer – amarei, amarás, …) ou no futuro do pretérito (ia acontecer mas não aconteceu – amaria, amarias, …)
- Convidar-me-ão para a festa.
 - Convidar-me-iam para a festa.

Se houver uma palavra atrativa, a próclise será obrigatória.

- Não (palavra atrativa) me convidarão para a festa.

ÊNCLISE
Ênclise de verbo no futuro e particípio está sempre errada.
- Tornarei-me……. (errada)
 - Tinha entregado-nos……….(errada)

Ênclise de verbo no infinitivo está sempre certa.
- Entregar-lhe (correta)
 - Não posso recebê-lo. (correta)

Outros casos:

- Com o verbo no início da frase: Entregaram-me as camisas.
- Com o verbo no imperativo afirmativo: Alunos, comportem-se.
- Com o verbo no gerúndio: Saiu deixando-nos por instantes.
- Com o verbo no infinitivo impessoal: Convém contar-lhe tudo.

OBS: se o gerúndio vier precedido de preposição ou de palavra atrativa, ocorrerá a próclise:
- Em se tratando de cinema, prefiro o suspense.

- Saiu do escritório, não nos revelando os motivos.

Dúvida: reescrever ou re-escrever?


Dúvida: reescrever ou re-escrever?

O Acordo Ortográfico dita que deve-se usar o hífen quando o prefixo termina em vogal e a palavra seguinte inicia-se com a mesma vogal. É o caso de re-escrever.

Base XVI, parágrafo 1º, item b
b) Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo termina na mesma vogal com que se inicia o segundo elemento: anti-ibérico, contra-almirante, infra-axilar, supra-auricular; arqui-irmandade, auto-observação, eletro-ótica, micro-onda, semi-interno.

Obs.: Nas formações com o prefixo co-, este aglutina-se em geral com o segundo elemento mesmo quando iniciado por o: coobrigação, coocupante, coordenar, cooperação, cooperar, etc.;

Note que na observação é mencionada a única exceção a esta regra: o prefixo CO-. Assume-se então, que o prefixo RE- não é uma exceção e deve seguir a regra.

Porém, a 2ª edição do Dicionário Escolar da Língua Portuguesa, lançado pela Academia Brasileira de Letras (ABL) em janeiro de 2009, traz o termo sem hífen: reescrever.
Neste mesmo dicionário, também são grafados sem hífen todos os outros termos com prefixo RE- seguidos da letra E.

O Acordo manda colocar o hífen, mas o dicionário da ABL o suprimiu. E agora, qual grafia é a correta?

________________________________________
Grafia Oficial
No Brasil, a grafia oficial das palavras é definida pela Academia Brasileira de Letras noVocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP). Em sua 5ª edição (2009), ele foi atualizado conforme as novas regras do Acordo Ortográfico.
O VOLP traz sem hífen todos os termos com prefixo RE- seguidos da letra E. Veja a lista dos verbos:
reecoar            reencenar        reerguer
reedificar        reencetar         reerigir
reeditar           reencher          reescalar
reeditorar        reencontrar      reescalonar
reeducar          reendereçar     reescravizar
reelaborar        reendireitar     reescrever
reeleger           reendossar       reesperar
reembalar        reendurecer     reesposar
reembarcar      reenfiar           reestabelecer
reembasar        reenfolhar       reestampar
reembolsar      reengajar         reestartar
reemendar       reengendrar     reestimular
reemergir         reengolipar      reestipular
reemigrar         reenlaçar         reestruturar
reemitir           reenlear           reestudar
reempalhar      reenovelar       reevocar
reempolgar      reensaiar          reexalar
reempossar      reensinar         reexaminar
reempreender  reentelar          reexceder
reempregar      reentender       reexcitar
reencadear      reenterrar        reexibir
reencadernar   reentrar           reexistir
reencafuar       reentronizar     reexpedir
reencaixar       reenvasar         reexperimentar
reencaminhar  reenvernizar    reexplicar
reencanar        reenviar           reexplorar
reencapar        reenvidar         reexpor
reencarcerar    reequilibrar      reexportar
reencarnar       reequipar         reextraditar
________________________________________
Conclusão
Segundo o VOLP, o correto é reescrever, e não deve-se usar hífen em termos com prefixo RE seguidos da letra E.





pensamento do dia!



Se cheguei até aqui foi porque me apoiei no ombro dos gigantes


 Isaac Newton

27 de agosto_ Dia do psicólogo

domingo, 26 de agosto de 2012

poetizando...

SER POETA
Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Áquem e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

Florbela Espanca

Pensamento do dia!

Uma pessoa para compreender tem de se transformar.
Augusto Cury

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

pensamento do dia!



A linguagem de seu coração é que irá determinar a maneira correta de descobrir e manejar a sua espada.

(Paulo Freire)

terça-feira, 21 de agosto de 2012

poetizando... fernando Pessoa


 
Fresta

Em meus momentos escuros
Em que em mim não há ninguém,
E tudo é névoas e muros
Quanto a vida dá ou tem,
Se, um instante, erguendo a fronte
De onde em mim sou aterrado,
Vejo o longínquo horizonte
Cheio de sol posto ou nado
Revivo, existo, conheço,
E, ainda que seja ilusão
O exterior em que me esqueço,
Nada mais quero nem peço.
Entrego-lhe o coração.
(Fernando Pessoa)

Pensamento do dia!

 

UMA LINDA TERÇA-FEIRA PARA TODOS!
BEM-VINDOS AO NOSSO BLOG!

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Diferenças entre: Textos literários e não literários






Quando indagamos a respeito do que é que distingue um texto literário do não-literário, percebemos que não há uma única resposta e sim várias respostas porém não definitivas, corroborando para a complexidade do assunto tanto posto em discussão. 

Importante é saber que:
 
TODO texto possui uma FUNÇÃO.

Com base nesta conclusão, diz-se que o texto literário apresenta uma FUNÇÃO ESTÉTICA, enquanto o texto não-literário tem uma FUNÇÃO UTILITÁRIA (informar, convencer, explicar, responder, ordenar etc.).

poetizando...


 
Meu Grito

Eu posso, sei que posso,
por isso eu vou,
amordaçada, sacrificada,
até calada, sem medo.
Vou sem segredo,
na certeza de ser melhor,
não reclamo,
não tenho nada pra desculpar,
corro na certa, de peito aberto,
retorno sempre que precisar.
Sou como as nuvens,
formo imagens
que se apagam nas ilusões,
grito socorro,
dou mãos ao mundo,
me agasalho
nos teus verões.

(Ivone Boechat)

palavra do dia



alcoviteirice

s. f.

1. Acção de alcoviteiro.
2. Aliciação.
3. Lenocínio.
4. Mexerico.

domingo, 19 de agosto de 2012

ECO: Vício de linguagem


ECO:

Espécie de cacofonia que consiste na sequência de sons vocálicos, idênticos, ou na proximidade de palavras que têm a mesma terminação. Também se chama assonância.

    Ex.: É possível a aprovação da transação sem concisão e sem associação.

Na poesia, a "rima" é uma forma normal de eco. São expressivas as repetições vocálicas a curto intervalo que visam à musicalidade ou à imitação de sons da natureza (harmonia imitativa); "Tíbios flautins finíssimos gritavam" (Bilac).

palavra do dia


 
Cacófato 
 Encontro de vocábulos ou sílabas que formam nova palavra de sentido ridículo ou obsceno: "É de pôr com a mão", "Tirei da boca dela", "Não pensei nunca nisso", "Quero a mala" e "A empresa é dirigida pela dona Maria". 
Há casos de cacófatos internos ou intravocabulares, em que as sílabas da mesma palavra podem ser lidas de maneira separada de modo a produzir novas formas, inconvenientes: "É mulher que se disputa (diz puta)". Desfaz-se o cacófato mediante mudança da ordem das palavras ou sua substituição.

* Por cada
* Boca dela
* Vou-me já
* Vi-a
* Uma mão
* Ela tinha
* Confisca gado
* Vi ela
* Como as concebo
* Moça fada
* Essa fada
* Havia dado
* Por ter me tido

Cacofonia


É um vício de linguagem.
Acontece quando a junção de duas sílabas, uma no final da palavra e outra no início de outra, se encontram e resultam um "som desagradável", acabam formando outra palavra, às vezes calão.
Isso ocorre por causa da maneira que lemos palavras e trocamos fonemas.

Por (SP) em 14-09-2010
S.f. Em Música, cacofonia significa uma mistura de sons discordantes ou desafinados. Nesta acepção, 'cacofonia' também pode ser usada em sentido figurado, significando uma mistura heterogênea que, em geral, é sentida como desagradável e/ou ininteligível e/ou desordenada. Vem do Grego kakophónía,as ('voz ou som desagradável').

"Não é o ideal. Seria melhor não precisar dessa cacofonia de esforços. Mas essa miríade de iniciativas é uma forma de compensar as fraquezas de nossa escola."

(Fonte acessada a 14/09/10: http://blogrobson.spaces.live.com/blog/cns!C3590E36BC3A9C04!934.entry)

"Como é que podemos agora operar no meio dessa cacofonia insuportável que mergulha a sociedade num oceano furioso de signos?"

(Fonte acessada a 14/09/10: http://bocc.ubi.pt/pag/damasio-manuel-literacia-mediatica.html)

"Como tentar tirar sentido dessa cacofonia de vozes que acontece na internet, toda ela registrada em páginas do Orkut, do Facebook, do Twitter e dos blogs?"

(Fonte acessada a 14/09/10: http://portalexame.abril.com.br/revista/exame/edicoes/0953/tecnologia/poder-redes-sociais-501965.html)

"Então, a ideia  de que os jornais tradicionais, seja no velho ou no novo suporte, sirvam como uma espécie de âncora, de referência informativa no meio dessa balbúrdia, dessa cacofonia noticiosa, é até uma oportunidade interessante a ser explorada pelos jornais."

(Fonte acessada a 14/09/10: http://revistapesquisa.fapesp.br/?art=3085&bd=1&pg=2&lg=)

"Essas crianças são muito talentosas, têm muito mais dons do que se pensa. [...] Lembre-se de que há uma melodia no interior dessa cacofonia, uma sinfonia que ainda não foi composta."

(Fonte acessada a 14/09/10: http://psiquiatriaclinicagranjaviana.wordpress.com/2010/02/24/tdah-em-sala-de-aula-50-dicas/)

poetizando...


Testamento

O que não tenho e desejo
É que melhor me enriquece.
Tive uns dinheiros - perdi-os...
Tive amores - esqueci-os.
Mas no maior desespero
Rezei: ganhei essa prece.
Vi terras da minha terra.
Por outras terras andei.
Mas o que ficou marcado
No meu olhar fatigado,
Foram terras que inventei.
Gosto muito de crianças:
Não tive um filho de meu.
Um filho!... Não foi de jeito...
Mas trago dentro do peito
Meu filho que não nasceu.
Criou-me, desde eu menino
Para arquiteto meu pai.
Foi-se-me um dia a saúde...
Fiz-me arquiteto? Não pude!
Sou poeta menor, perdoai!
Não faço versos de guerra.
Não faço porque não sei.
Mas num torpedo-suicida
Darei de bom grado a vida
Na luta em que não lutei!
 Manuel Bandeira
 

pensamento do dia!


O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos.
A maneira como você encara a vida é que faz toda diferença.
  Luís Fernando Verissimo

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

pensamento do dia!


Não devemos ter medo das novas ideias. Elas podem significar a diferença entre o triunfo e o fracasso.
 Napoleon Hill

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Feira de Santana promove 5º Feira de Livros esta semana

 
 Feira de Santana está sediando no período de 14 a 19 de agosto de 2012 (de terça a domingo), a “ Feira do Livro – Festival Literário e Cultural”, evento que tem como objetivo despertar a comunidade feirense para incentivo, promoção e ampliação das possibilidades de acesso à leitura.

PRESTIGIE!

Evento literário: Prestigie. Vale a pena!

“Vou à Itália.” A acentuação grave é facultativa?


 
Essa dúvida está relacionada a nomes próprios de lugares e, para resolver tal problema, aqui está a solução. Observe a troca:

Ir à / Voltar da = Crase

Fui à  Bahia.  => Voltei da  Bahia.

 Ele vai à Bolívia.  => Ele volta da  Bolívia.


Ir a / Voltar de = Crase para quê?

Iremos a  Curitiba. => Voltaremos de Curitiba.

Fui  a  Brasília. => Voltei  de  Brasília.


Diante dessas noções, constate que na frase : Vou  à  Itália. => Volto  da  Itália.
  •  o acento é obrigatório, pois Itália usa-se com artigo:
 
Como não dizemos “Volto de Itália”, mas sim “volto da Itália”, o acento grave tem de ser usado.



Crase é acento?


 
Crase não é acento, e sim superposição de dois "as". 

O primeiro é uma preposição, o segundo, pode ser um artigo definido, um pronome demonstrativo a(as) ou aquele(a/s),e aquilo.

O acento que marca este fenômeno é o grave (`).

O domínio da crase depende de o aluno conhecer a regência de alguns verbos e nomes.

- crase da preposição a com o artigo definido a(s):

Condições necessárias para ocorrer crase: termo regente deve exigir a preposição e o termo regido tem de ser uma palavra feminina que admita artigo.

Uma dica é trocar a palavra feminina por uma masculina equivalente, se aparecer ao (s) usa-se crase, caso apareça a ou o (s) não haverá crase

a) Todos iriam à reunião.

b) Todos iriam ao encontro.